COP 14: ONU alerta para o aumento da capacidade de resposta aos desastres climáticos

COP 14

As Nações Unidas e seus parceiros humanitários alertaram ontem, durante a COP-14, da necessidade do reforço de recursos, em escala global, para aumentar a capacidade de resposta às catástrofes impostas pelo clima.

O Comitê Permanente Inter-Agências, compreendendo cerca de 20 agências da ONU e organizações de ajuda humanitária, e a Estratégia Internacional da ONU para a Redução de Desastres (UN International Strategy for Disaster Reduction ISDR), emitiram o alerta em Poznan, na Polônia, durante os debates da COP 14, sobre as mudanças climáticas.

“A mudança climática não é um cenário futurista”, advertiu John Holmes, Sub-Secretário-Geral para os Assuntos Humanitários. “Está acontecendo hoje e milhões de pessoas já estão sofrendo as conseqüências.”

No ano passado, 2007, inundações devastadoras na África sub-saariana e na China, as ondas de calor no Sudeste da Europa, a seca na África Austral e Oriental e a violenta temporada de furacões no Caribe devem servir como um aviso do futuro, acrescentou.

Nove dos 10 desastres naturais registrados estão relacionados com as mudanças do clima e o número de catástrofes duplicou, para mais de 400 por ano, ao longo das últimas duas décadas.

No decurso dos próximos 20 anos, é esperado que a intensidade, freqüência, duração e extensão dos desastres relacionados ao clima sofram um grande incremento ao redor do mundo.

De acordo com um comunicado divulgado pelo Escritório das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários (UN Office for the Coordination of Humanitarian Affairs OCHA), investindo na redução dos riscos, pode-se reduzir a quantidade de recursos necessários para responder às emergências.

Por exemplo, a China evitou perdas de cerca de US$ 12 bilhões, como resultado do pouco mais de US$ 3 bilhões de investimentos no controle de inundações entre 1960 e 2000.
O Brasil, neste momento, sofre simultaneamente de alguns dos desastres que podem ser ampliados com as mudanças climáticas.

O nordeste sofre com a seca, que já havia superado marcas históricas no norte de Minas Gerais [vejam em Especial: Seca no norte de Minas Gerais http://www.ecodebate.com.br/index.php/2008/11/19/especial-seca-no-norte-de-minas-gerais/ ]

Em Campos, no Rio de Janeiro, já passam de 15 mil desabrigados e desalojados pelas enchentes, agravadas pela construção de diques irregulares, que foram responsáveis pelo represamento de rios e lagoas da região.

Em Santa Catarina, as enchentes e os deslizamentos de encostas instáveis resultaram em 118 mortos, 31 desaparecidos e 78 mil desabrigados e desalojados.

Mas é em Santa Catarina que ocorre uma ótima representação do que alerta a ONU. A cidade de Brusque, no vale do Itajaí, pouco sofreu com as chuvas, em razão da união de preparação para desastres e cuidado ambiental.

Em Brusque, depois de severas enchentes, foi construído um canal extravasor para “administrar” o excesso de vazão do rio Itajaí, reduzindo o risco de enchentes. Ao mesmo tempo, as várzeas do rio e as encostas instáveis não foram ocupadas, respeitando as Áreas de Preservação Permanentes-APPs.

A inércia internacional, na qual estamos incluídos, impedirá os necessários avanços na redução das emissões de gases estufa e, diante disto, devemos nos preparar para severas conseqüências. É o que alerta a ONU e o que Brusque demonstra ser possível.

* Com informações do UN News Centre

Por Henrique Cortez, do EcoDebate.

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta que envie um e-mail para newsletter_ecodebate-subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Comentários encerrados.

Top