Fiscais resgatam 69 trabalhadores em condições análogas à escravidão no Mato Grosso

[MTE recover 69 workers in conditions analogous to slavery in Mato Grosso]

Grupo ocupava alojamentos precários, sem condições básicas de higiene e segurança em fazenda no município de Tapurah, a 320 km de Cuiabá

Ação do Grupo Móvel de Fiscalização de Combate ao Trabalho Escravo da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Mato Grosso (SRTE/MT), em operação que teve início no dia 21 de outubro, resgatou 69 trabalhadores em condições análogas à escravidão. O fato ocorreu em uma fazenda no município de Tapurah, a 320 km de Cuiabá.

Os trabalhadores que exerciam atividade de construção civil em propriedade agrícola, dividiam-se em três grupos instalados em alojamentos precários. Um dos alojamentos era um galpãos sem paredes laterais. No outro havia frestas no telhado de tábuas que permitiam a entrada de insetos. Os trabalhadores ainda tinham que improvisar locais para banho pois havia um só banheiro e dois chuveiros para atender 44 pessoas.

Aguns resgatados alegaram terem passado mal após consumirem a água de um poço da fazenda. “A ação, mais do que mostrar um poder público atuante, visa regularizar a situação dos trabalhadores que permanecerem na propriedade”, afirmou o auditor fiscal e coordenador da operação, Leonardo César Lima.

O estabelecimento rural foi notificado e os trabalhadores receberam as verbas rescisórias devidas, que somaram R$ 130 mil, valor que inclui o pagamento de indenização por danos individuais. Todos foram incluídos no Programa de Seguro-Desemprego para o Trabalhador Resgatado. Foram lavrados 23 autos de infração.

A equipe de repressão do Trabalho Escravo é formada por auditores-fiscais do Trabalho, Policiais Rodoviários Federais e um Procurador do Trabalho.

Assessoria de Imprensa SRTE/MT

[EcoDebate, 30/10/2008]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta que envie um e-mail para newsletter_ecodebate-subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Top