Livro sobre o Aquífero Guarani é lançado pela Embrapa


O livro “Uso agrícola das áreas de afloramento do Aquífero Guarani no Brasil: implicações para a água subterrânea e propostas de gestão com enfoque agroambiental“, editado pelo pesquisador da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP) Marco Antonio Ferreira Gomes, foi lançado em 22 de setembro de 2008 durante a programação da VI Exposição de Tecnologia Agropecuária – Ciência para a Vida, na sede da Embrapa, em Brasília, DF.

O evento contou com a presença do editor técnico, da diretora-executiva da Empresa, Tatiane Deane de Sá e do gerente-geral da Embrapa Informação Tecnológica, Fernando do Amaral Pereira, cuja Unidade é parceira na edição deste livro.

Com 417 páginas e 20 capítulos, dos quais 18 referem-se a resultados de pesquisa obtidos ao longo de mais de 12 anos de trabalho por meio de equipe multi-institucional (veja ao final as instituições envolvidas), a obra aborda a questão de uso de áreas frágeis, como as do afloramento do Aquífero Guarani, com ênfase nas possíveis implicações ambientais, além de propor medidas preventivas e corretivas aos possíveis impactos negativos gerados.

Gomes diz que o trabalho apresenta alguns cenários atuais, ajustados ao longo de vários anos de pesquisa, com a proposição de medidas alternativas de uso e de manejo agrícola para algumas delas, tendo como estudo de caso três regiões, localizadas em quatro estados – Microbacia do córrego do Espraiado, Ribeirão Preto, SP; Nascentes do rio Araguaia em Mineiros, GO e Alto Taquari, MT e Microbacia do Arroio Jacaguá, região de Alegrete, RS. “Para as duas primeiras áreas foram propostas também ações de gestão agroambiental, constantes na 3ª parte do livro, como procedimentos de apoio à sustentabilidade das mesmas e, conseqüentemente, do Aquífero Guarani, uma vez que esses procedimentos podem ser aplicados, com os devidos ajustes, para as demais áreas de afloramento”, informa o editor técnico.

De acordo com o chefe geral da Embrapa Meio Ambiente, Claudio Spadotto, que escreveu a Apresentação, “a obra sintetiza os resultados de esforços conjugados de uma equipe multi-institucional e interdisciplinar que, de forma pioneira, desenvolveu um projeto temático de meio ambiente e agricultura, tendo como referência as áreas de afloramento do Aquífero Guarani em território brasileiro”, enfatiza ele.

Obra é dividida em 3 partes
Na parte 1 (Água Subterrânea no Brasil – o Aquífero Guarani), composta por dois capítulos, ambos de autoria de Marco Antonio Ferreira Gomes, são mostrados ao leitor as características e o potencial deste aquífero quanto a sua capacidade de abastecimento e alguns mecanismos que interferem na qualidade da água, tendo como referência algumas considerações de profissionais da área de hidrogeologia.

A parte 2 (Uso Agrícola das Áreas de Afloramento do Aquífero Guarani no Brasil e Impactos na Qualidade da Água Subterrânea) tem15 capítulos de autoria de diversos pesquisadores da Embrapa Meio Ambiente em parceria com outras instituições de ensino e de pesquisa. Nela são relatadas as experiências e os resultados obtidos ao longo dos anos, enfocando o uso agrícola das áreas de afloramento do Guarani e seus impactos na qualidade da água subterrânea.

Já a parte 3 (Ações de Gestão Agroambiental para as Áreas de Afloramento do Aqüífero Guarani no Brasil), é composta por três capítulos, de autoria de pesquisadores da Embrapa Meio Ambiente, sendo alguns co-autores de instituições parceiras. Nela são relatadas propostas de gestão com enfoque agroambiental para as áreas de afloramento, como medidas alternativas de uso e de manejo agrícola. Nessa abordagem, de acordo com Gomes, foram consideradas duas regiões, localizadas em três estados – Microbacia do Córrego do Espraiado, Ribeirão Preto, SP, Nascentes do Rio Araguaia, em Mineiros, GO e Alto Taquari, MT .

O livro é destinado a técnicos do setor agropecuário, pesquisadores, professores e estudantes de ensino superior que atuam na área ambiental e na interface das relações entre a agricultura e o meio ambiente. Informações adicionais e aquisição podem ser obtidas no site da Embrapa Meio Ambiente.

Instituições parceiras
Embrapa Solos (Rio de Janeiro), Instituto Biológico (Campinas e São Paulo),
USP/Ribeirão Preto, SP, Instituto Agronômico (Campinas, SP), Unicamp/Departamento de Química Analítica, Agência Rural (Mineiros, GO), Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior/Mineiros, GO, Unaerp/Ribeirão Preto, Daerp/Ribeirão Preto, Oréades – Núcleo de Geoprocessamento (Mineiros, GO) e Comiva – Cooperativa Mista dos Produtores Rurais do Vale do Araguaia (Mineiros, GO).

Eliana Lima
Jornalista, Embrapa Meio Ambiente

Enviado por Ruben Siqueira, CPT/BA

[Ecodebate, 03/10/2008]

Comentários encerrados.

Top