Paraná: Poluição no Ribeirão dos Apertados deixou 100 mil consumidores sem água

Força-tarefa tenta identificar foco de poluição em Arapongas

Arapongas – A gerência regional da Sanepar e outros órgãos públicos ligados ao meio ambiente iniciaram ontem a fiscalização com o intuito da origem da poluição no Ribeirão dos Apertados, em Arapongas (Norte). O problema deixou perto de 100 mil consumidores sem água durante o domingo e parte do dia de ontem. A força-tarefa é formada também por Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Emater, Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Agricultura, Polícia Civil, Polícia Florestal, Corpo de Bombeiros e Defesa Civil. Por Fernando Rocha Faro, da Reportagem Local, Folha de Londrina, PR, 16/09/2008.

No início da tarde de domingo, a Sanepar teve que interromper a captação de água devido à presença de forte odor de substâncias químicas e biológicas na Estação de Tratamento de Água. Foram coletadas amostras dos ribeirões dos Apertados e Frouxo, cujos resultados apontaram traços de produtos agroquímicos apenas nos Apertados. Por volta das 17 horas, já não havia mais sinal desses produtos.

A equipe da Sanepar reiniciou a captação para a lavagem intensa dos filtros por volta da meia-noite. Esse trabalho foi realizado durante toda a noite. Às 7h50, a Sanepar reiniciou o tratamento de água em Arapongas.

Ontem, representantes dos órgãos envolvidos fizeram reunião para planejar uma ação mais efetiva junto às propriedades que fazem parte da Bacia dos Apertados. Em 14 de agosto, a população de Arapongas também ficou desabastecida por pelo menos 12 horas em função do mesmo problema.

Desde então, a Sanepar vem intensificando as coletas de amostras no ribeirão e no levantamento de irregularidades – como a falta de mata ciliar na Bacia do Ribeirão Arlindo, num trabalho em conjunto com o IAP.

De acordo com este levantamento, 22 proprietários já assinaram um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para se adequar às exigências ambientais. Hoje, uma equipe de fiscais do IAP de Londrina vai percorrer essas propriedades para verificar irregularidades e o cumprimento do TAC. Os que estiverem em situação irregular, serão autuados.

Uma operação pente fino vai envolver sete veículos e 15 pessoas, que vão verificar todas as propriedades rurais que margeiam os Apertados e seus afluentes, o ribeirão Arlindo, o Coqueiral e o Damásio. São cerca de 60 quilômetros quadrados a serem percorridos.

“”Vamos fazer uma varredura para identificar não apenas a suspeita de poluição por agentes químicos, mas também qualquer outra fonte poluidora””, destacou o gerente regional da Sanepar em Arapongas, Luiz Alberto da Silva.

Como ocorreu em agosto, o odor presente na água surgiu após forte chuva. A força-tarefa visa identificar o plantio de mata ciliar e a origem do lançamento irregular de substância químicas e biológicas em manancial de abastecimento, que é configurado como crime ambiental.

O chefe-regional do IAP em Londrina, Carlos Alberto Hirata, explicou que o responsável pela poluição está sujeito a três processos: penal, administrativo e cível. “”O instituto poderá aplicar uma multa e encaminhar o caso para o Ministério Público, que é responsável por encaminhar a questão criminal””, esclareceu.

[EcoDebate, 17/09/2008]

Top