Seca na Austrália ameaça o abastecimento de um milhão de pessoas

Um milhão de australianos sob ameaça de falta de água para beber se a seca continuar, de acordo com relatório do governo, que avaliou o sistema Murray-Darling, principal bacia hidrográfica da Austrália, com uma área quase duas vezes maior do que a França. Por Henrique Cortez, do EcoDebate.

De acordo com o Ministro para Mudanças Climáticas, Penny Wong, a prolongada seca está levando o sistema Murray-Darling ao esgotamento, um grave risco ao abastecimento. “As chuvas foram insuficientes, o mês de junho foi excepcionalmente seco e, agora, o foco deve ser o atendimento das necessidades humanas mais críticas”. Disse, ainda, que a situação apenas reafirma como a Austrália é vulnerável às mudanças climáticas.

Em seis anos de secas severas a produção de arroz, na Austrália, já sofreu uma redução de 98%. O sistema Murray-Darling responde por 40% da área agrícola do país e 85% de toda a área irrigada . A bacia, com 1.061.469 quilômetros quadrados, do Queensland no norte, através de Nova Gales do Sul até Vitória no sul, responsável por 75% dos cultivos de grão, é a área de crescimento chave do alimento do país.

Iniciado em 2002, este é o maior ciclo de secas em um século, com prejuízos sem precedentes.

O relatório afirma que o sistema de abastecimento humano e para irrigação possui segurança hídrica até 2009, mas, que poderá entrar em crise se a seca continuar, exigindo procedimentos especiais, até mesmo racionamento e restrição à irrigação, para garantir o consumo humano.

Se não ocorrerem chuvas significativas nos próximos dois meses, um plano emergencial prevê a suspensão do fornecimento para a irrigação de arroz e algodão. Uma proibição de irrigação, que permaneceria em vigor até maio do próximo ano, poderia ser a ruína de milhares de agricultores, já endividados e em desespero, após seis anos de seca ininterrupta. O primeiro-ministro, em declaração ao jornal The Independent em abril deste ano, reconheceu que uma proibição de irrigação teria um impacto “potencialmente devastador” na economia australiana.

O relatório afirma, ainda, que, nos últimos 22 anos, as secas ocorreram, em média, a cada dois anos. Com as crescentes ondas de calor, com anos excepcionalmente quentes e mudanças no regime de chuvas, há a possibilidade de que as secas se incorporem à “paisagem” permanente da Austrália.

[EcoDebate, 22/07/2008]

Comentários encerrados.

Top