Índice da edição de 22/07/2008

A insustentável leveza da poeira venenosa, artigo de Serrano Neves Pecuária na Amazônia? ‘Perdas incalculáveis’ . Entrevista especial com Peter May O lado B do etanol: Químico chama atenção para custo social e ambiental da produção de biocombustíveis Questão quilombola de Marambaia já leva 150 anos Ministro defende titulação coletiva de área ocupada por quilombolas no Rio. Marinha diz que área ocupada por quilombolas é estratégica Secretaria de Segurança Pública manda investigar e punir incêndio

A insustentável leveza da poeira venenosa, artigo de Serrano Neves

[EcoDebate] Os problemas criados pela mineração em Paracatu (RPM/Kinross), enfim, alcançaram a grande mídia através de reportagem de O Estado de Minas do dia (13 de julho, pág. 21), e a peneira com que tampavam o Sol caiu. O tremendo impacto sócio-ambiental vinha sendo disfarçado pela poeira do desenvolvimento, do emprego e da renda, estratégia dirigida pela RPM/Kinross que posa de "mãe de Paracatu" divulgando números sobre benefícios sociais e

Pecuária na Amazônia? ‘Perdas incalculáveis’ . Entrevista especial com Peter May

Hidrelétricas, pecuária, soja, cana... São todos problemas atuais da Amazônia brasileira. Há dois meses no cargo de Ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc ainda não mostrou realmente a que veio, segundo o ambientalista Peter May. Em entrevista à IHU On-Line, concedida por telefone, May analisa os problemas pelos quais a Amazônia vem passando e critica o governo federal. “O fato é que esse bioma é um dos mais ameaçados e

O lado B do etanol: Químico chama atenção para custo social e ambiental da produção de biocombustíveis

É preciso reconsiderar o deslumbramento da opinião pública com as vantagens ambientais do etanol. Quem alerta é o químico Wilson de Figueiredo Jardim, pesquisador da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Em conferência na 60ª Reunião Anual da SBPC, ele chamou a atenção para aspectos que nem sempre são levados em conta na avaliação dos biocombustíveis e manifestou ceticismo quanto à possibilidade de alcançarmos um desenvolvimento sustentável se mantivermos o modelo

Questão quilombola de Marambaia já leva 150 anos

O reconhecimento da Ilha da Marambaia como comunidade quilombola esbarra em um emaranhado de versões históricas, leis, decretos e instâncias jurídicas. De um lado, a Fundação Cultural Palmares, ligada ao Ministério da Cultura, lideranças comunitárias, organizações não-governamentais, um juiz federal e um procurador federal. Do outro está a Marinha e a Procuradoria Regional da União. No meio ainda há o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), a Advocacia

Ministro defende titulação coletiva de área ocupada por quilombolas no Rio. Marinha diz que área ocupada por quilombolas é estratégica

O ministro da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), Edson Santos, disse que a comunidade remanescente de quilombo da Ilha de Marambaia, no litoral sul fluminense, terá o seu território demarcado. O título, segundo ele, sairá em nome de toda a comunidade e não apenas das famílias. Por Isabela Vieira, da Agência Brasil. "Vai sair [a titulação], vai sair”, disse o ministro Edson Santos à Agência Brasil

Secretaria de Segurança Pública manda investigar e punir incêndio em casa de quilombolas no Paraná

O secretário de Segurança Pública do Paraná, Luiz Fernando Delazari determinou ontem (21) a apuração rigorosa do incêndio de três casas de uma comundiade quilombola, ocorrido na última sexta-feira (18), no município de Doutor Ulysses, no Vale do Ribeira, a 170 km de Curitiba, provocado por um grupo de homens encapuzados. O incêndio deixou tenso o clima no município. Vinte pessoas, que estavam no local, refugiaram-se dentro da mata, onde

energia mareomotriz: A primeira turbina subaquática de marés entra em operação comercial no Reino Unido

Turbina marinha SeaGen em Strangford Loch A turbina marinha em Strangford Loch produzirá energia para mil residências. Uma turbina subaquática, que produz a eletricidade a partir das marés, foi incluída no sistema nacional do Reino Unido no dia 18/07. É a primeira vez que uma turbina subaquática, em escala comercial, produziu energia para a rede de distribuição e o começo de uma fonte nova de energia renovável para o Reino Unido.

Governo federal insiste em aplicar R$ 20 milhões em projeto de irrigação. A CGU alerta: é dinheiro jogado fora

Aberração administrativa Cristalina (GO) - Distante apenas 160km de Brasília, uma obra que já consumiu R$ 35,8 milhões dos cofres públicos apodrece a céu aberto. Iniciado há 10 anos, o projeto de irrigação de Três Barras, em Cristalina, atenderia 182 famílias de pequenos produtores. Mal planejado, mostrou-se superdimensionado e economicamente inviável. Jamais funcionou. Agora, o governo federal e o governo de Goiás querem investir mais R$ 20 milhões para concluir o

Em apenas dois dias, MT bate o recorde de queimadas na Amazônia Legal

Se é líder em desmatamento, também é líder em queimadas. Este é o triste cenário de Mato Grosso, que devasta a floresta amazônica, arrancando árvores nobres para vender no exterior, mesmo que de forma clandestina e que, de quebra, coloca fogo em tudo que é verde e balança ao vento para aumentar as áreas de pastagens e até mesmo de produção de grãos. Por Jonas Jozino, Redação 24 Horas News,

Consciência ecológica em baixa no consumo, mostra pesquisa da PUC-Rio

A preservação do meio ambiente está na moda. Mas o consumo ecológico ainda não conquistou cariocas com poder aquisitivo e nível de instrução altos. Estudo da Escola de Negócios da PUC-Rio mostra que, na hora de decidir o que comprar, esse consumidor continua privilegiando critérios como preço e marca. Já o fato de o produto ser poluente ou não fica em último plano. A reportagem é de Mariana Schreiber e

Extração de madeira ameaça tribos da Amazônia peruana

Índios afirmam que madeireiros extraem mais que o permitido. Indígenas encontram dificuldades para se manterem na região. Delia Pacaya cresceu na Amazônia peruana como parte de uma tribo nômade avessa a qualquer tipo de contato com forasteiros, mas quando as madeireiras invadiram sua terra, ela fugiu da mata virgem e passou a morar em um pequeno vilarejo. Da Agência Reuters, no Portal G1, 21/07/2008 - 12h06 - Atualizado em 21/07/2008 -

Top