Acidente nuclear em usina no sul da França

O acidente em uma central nuclear na França reascendeu polemica sobre a energia nuclear. Varias organizações acusaram as autoridades e a empresa responsável pela ocultação de informações e demora em divulgar os detalhes do acidente. Por Henrique Cortez, do EcoDebate, com informações de Agências.

Na manhã de quarta-feira, às 6.30 horas, ocorreu o vazamento de liquido radioativo, com aproximadamente 75 Kg de urânio empobrecido, da central nuclear de Tricastin, nas vizinhanças de Aviñón, no sudeste da França. Foi um vazamento de 30 metros cúbicos, que atingiram o solo e um rio nas proximidades. As equipes de emergência conseguiram contar uma parte, mas, ainda assim, vazaram para o ambiente 18 metros cúbicos, de acordo com a empresa AREVA, responsável pela central nuclear. As razões do acidente e do vazamento ainda são desconhecidas.

De acordo com o jornal El País, o secretario de Estado de Meio Ambiente da França, Michael Müller, declarou que “a tecnologia nuclear é de alto risco” e que este acidente “não era para ser avaliado precipitadamente”.

Inicialmente achou-se que era um acidente grave, mais tarde desmentido pela autoridade de segurança nuclear (ASN), que apenas a caracterizou como uma “não conformidade”. As autoridades tentaram acalmar a população qualificando o acidente como de baixo risco ambiental

O acidente gerou reações de diversas organizações que acusaram a AREVA de retenção deliberada de informação e de colocar a população em risco desnecessário. A empresa demorou mais de 12 horas para informar o vazamento radioativo e para declarar que as inspeções de segurança não detectaram nenhum dano anormal, confirmado também pela ASN.

A autoridade de segurança nuclear informou que a concentração de urânio se manteve em 12 gramas por litro e que as taxas de radioatividade estão em constante redução desde o acidente, na quarta-feira.

Apesar de ter sido declarado como um acidente de pouca gravidade várias medidas de segurança foram necessárias, tais como a proibição da pesca e do uso do rio atingido.

Greenpeace declarou que o acidente “demonstra que a energia nuclear não é uma energia limpa”.

Acidente semelhante ocorreu na Espanha, na central nuclear de Ascó, na Tarragona. O acidente ocorreu em novembro de 2007, mas só ficou conhecido em abril deste ano. Esta central permanece desativada para inspeções e avaliações de segurança.

Nota do EcoDebate:

Sobre esta notícia vejam, também: “Vídeo: Vazamento nuclear em uma usina no sul da França

[EcoDebate, 12/07/2008]

Top