Capobianco, que deixou o governo anteontem, diz que o Planalto queria reduzir o MMA a um órgão licenciador de obras

"Ministério virou pasta de 2ª categoria" - O Planalto queria reduzir o Ministério do Meio Ambiente a um órgão licenciador de obras. A síntese da crise que levou a ministra Marina Silva e alguns secretários foi feita ontem ao Estado por João Paulo Capobianco, ex-secretário-executivo do ministério e ministro interino até a posse, anteontem, de Carlos Minc. Capobianco diz que a questão ambiental nunca foi considerada importante pelo governo. E

Minc quer exigir novas compensações de termelétricas

O Ministério do Meio Ambiente pretende exigir compensações novas e mais duras para empresas que decidam erguer usinas termelétricas a carvão, óleo combustível e gás natural. Para cada 100 megawatts (MW) de potência instalada de térmicas movidas a combustíveis poluentes, o plano é exigir investimentos na construção de 3 MW a 5 MW em usinas que geram energia a partir de fontes renováveis, como eólicas ou pequenas centrais hidrelétricas (PCHs).

Ambientalistas internacionais vêem Minc com desconfiança

Um clima de desconfiança aguarda hoje o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, em sua estréia num fórum internacional. A maioria dos ambientalistas presentes na Conferência sobre Diversidade Biológica de Bonn, na Alemanha, vê na renúncia de Marina Silva um sinal de que a preservação da natureza não é prioridade do governo brasileiro. Da Folha de S.Paulo, 29/05/2008. 1725

Cerrado: Governo mudará regras contra desmatamento

Áreas de cerrado serão excluídas de portaria que proíbe financiamentos públicos para produtores sem licença ambiental Cedendo a pressões do governador do Mato Grosso, Blairo Maggi (PR), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve anunciar amanhã, durante o Fórum de Governadores da Amazônia Legal, em Belém, a flexibilização da portaria que restringiu o crédito oficial para os produtores que não têm licença ambiental, medida adotada pela ex-ministra Marina Silva para

reserva legal: Governo vai subsidiar fazendeiros que recuperarem áreas desmatadas

Brasília, 28 (AE) - Depois de fazer exigências ambientais severas para conceder crédito aos municípios do bioma amazônico, o governo decidiu subsidiar o reflorestamento de áreas desmatadas nos Estados do Norte e do Centro-Oeste. Incluída na Medida Provisória (MP) de refinanciamento das dívidas agrícolas, a proposta prevê uma linha de financiamento com taxa de juros subsidiadas para recomposição da chamada reserva legal das fazendas das duas regiões, situadas nos biomas

Política industrial privilegia automóveis. Montadoras e autopeças ficarão com metade do total de incentivos

O setor automobilístico vai receber mais da metade dos incentivos fiscais concedidos pelo governo por meio da nova política industrial, revela levantamento inédito do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi). No total, as desonerações previstas para diversos setores da indústria vão somar R$ 6,1 bilhões até 2011. Montadoras de carros e fabricantes de autopeças ficarão com R$ 3,2 bilhões. Os incentivos vêm no momento em que o setor

Campanha mundial planta dois bilhões de novas árvores no mundo

Em menos de 18 meses, um acontecimento digno de celebração, a iniciativa popular “Plantemos para o Planeta: Campanha do 1 Bilhão de Árvores” supera a marca de dois bilhões de mudas e sementes plantadas em todo o planeta. O objetivo agora cresce para mais de uma árvore por pessoa, ou seja, a meta é que sete bilhões sejam plantadas até o final de 2009, a época da conferência da Organização

desmatamento: Briga de índices, artigo de Míriam Leitão

[O Globo] Já vi este filme. O Brasil brigava pelos índices. Qual deles media mais precisamente o que se passava? A metodologia do instituto distorcia o número final? Ministros trocavam de instituto. O governo mudava metodologias e calendários. Vista com a lucidez que o tempo traz, aquela era uma briga insensata. A inflação nos ameaçava naquele momento. O desmatamento da Amazônia é um perigo presente. 1720

Crise de alimentos e crise de modelo, artigo de Renato S. Maluf

[Valor Econômico] O mundo vem sendo sacudido por uma conjuntura crítica em cujo centro se encontra o principal determinante do direito elementar à vida que é o acesso aos alimentos, fortemente afetado pela alta dos preços de alimentos essenciais como arroz, milho, soja, trigo e lácteos. Essa alta também desestabiliza o abastecimento alimentar em quase todos os países do mundo. No Brasil, o Dieese registrou aumento no custo da cesta

Danos à natureza cortarão padrão de vida de pobres

Danos a florestas, rios, vida marinha e outras reservas naturais podem reduzir pela metade os padrões de vida das populações pobres do planeta, deverá concluir um estudo a ser divulgado durante a Convenção sobre Diversidade Biológica que está sendo realizada nesta semana em Bonn, na Alemanha. Por Richard Black, da BBC News. 1718

Top