Amazônia: violência, trabalho escravo e impunidade. Entrevista especial com José Batista Afonso

Quando é que vão prestar a atenção na questão social da região amazônica? Esta é a pergunta que ecoa diariamente, diante das inúmeras notícias sobre o descaso em relação à Amazônia. A violência cresce, aumenta o trabalho escravo em grandes latifúndios, culturas predatórias se expandem e a impunidade é contínua. Na última semana, Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, foi absolvido pelo 2º Tribunal do Júri de Belém, no Pará,

Minc quer dar a estados poder de autorizar licenciamento ambiental. Governo não vai voltar atrás na restrição de crédito a desmatadores

O futuro ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, manifestou ontem (19) a intenção de criar um programa para manter e ampliar áreas de proteção ambiental na Mata Atlântica com recursos internacionais. Ele também defendeu mudanças na legislação para permitir aos estados assumirem uma parte do licencimento ambiental. Por Adriana Brendler, da Agência Brasil. 1435

Obras do PAC esbarram em conservação da Amazônia

Segundo ONG, 322 zonas de alta biodiversidade estão sob ameaça na floresta. Unidade de conservação proposta por Marina Silva foi tirada de plano federal porque poderia impedir barragens futuras no Xingu. Ao serem colocados sobre a mesa, fica claro o choque. Os planos de infra-estrutura para a Amazônia, quando totalmente implantados, vão ameaçar as áreas prioritárias para a conservação da floresta, que já estão desenhadas pelo próprio governo federal.Por Eduardo

Indígenas e ribeirinhos discutem impacto de hidrelétricas na Bacia do Xingu

Indígenas e ribeirinhos que vivem na região da Bacia do Xingu, no Mato Grosso e Pará, se reúnem desde ontem (19) até a sexta-feira (23) com representantes da sociedade civil, em Altamira (PA), para discutir os projetos de aproveitamento energético previstos para a região. De acordo com o coordenador do programa Xingu do Instituto Socioambiental (ISA), André Villasboas, essa será a oportunidade de os moradores saberem quais são as "grandes

Rondônia: Estado está ausente em região que desmata

O paranaense Ismael Osório Meira já derrubou árvores em toda sorte de lugares em Rondônia: reservas estaduais de mata nativa, reservas federais, áreas indígenas, propriedades de pequenos e grandes agricultores, áreas de extração legalizadas pelos órgãos ambientais. Para ele, nunca fez muita diferença de onde tirava a madeira. "Mata é mata, é tudo igual", gosta de repetir. Nunca lhe pediram - e ele nunca deu - qualquer tipo de documento

Estados começam a cobrar pelo que é usado dos rios. Indústria e consumidor pagam. No Rio, cobrança vai ser repassada e terá impacto de 2% na conta de água

Água escassa e cara - O senso comum de que o Brasil é um país no qual a água é abundante e nunca vai faltar está caindo por terra. Certos de que o insumo está cada vez mais escasso, a União e os estados estão ampliando a cobrança pelo uso dos rios brasileiros, principalmente no caso da indústria e do agronegócio, para racionalizar os recursos naturais. Hoje, cerca de 20%

Estudo critica a falta de legislação penal para mau uso das águas

Num contexto no qual muito se discute o aquecimento global, o desgaste de recursos naturais como o petróleo e a preservação do meio ambiente e dos animais, o advogado criminalista Guilherme Nostre decidiu problematizar a falta de um código penal que institua como crime a poluição da água no Brasil. Em sua tese de doutorado Direito Penal das Águas, da Faculdade de Direito (FD) da USP, Nostre identifica a falta

Bahiabio: 20 vezes pior que a Transposição, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó)

[EcoDebate] O governo da Bahia lançou em um de seus sítios o programa Bahiabio. Ele se propõe simplesmente em plantar 870 mil hectares de cana para produção de etanol e 868 mil hectares de oleaginosas para produzir biodiesel. Avisa logo na apresentação: “não é para produzir alimentos”. Portanto, sequer a idéia de consorciar. Monocultura em estado puro. 1428

Encruzilhada amazônica, artigo de César Benjamin

Num governo cheio de ambigüidades, Marina Silva foi até o limite. Deixou um legado de sinceridade [Folha de S.Paulo] A destruição da Amazônia e, eventualmente, a perda de soberania sobre parte da região serão os acontecimentos menos perdoados pelos nossos descendentes. A primeira, um processo em curso, e a segunda, uma possibilidade futura, reforçam-se. Desenvolvimento sustentável e consolidação da soberania são indissociáveis. 1427

A notícia que não vai além do bagaço, artigo de Gabriel de Salles

As comunidades rurais são as maiores vítimas da monocultura com fins energéticos [Gazeta Mercantil] Não é por que não existiam veículos automotores que não aconteciam acidentes. Nas estradas de terra ligando o campo às cidades e vilas, havia contínuo movimento de carroças, charretes, cavalos e carros de boi, transportando cargas e pessoas. Os acidentes eram poucos, mas causavam mortes. Mandava o costume que se colocasse uma cruz no local em memória

El negocio de matar de hambre

"Es necesario cambiar radicalmente la política alimentaria", opina la organización GRAIN. "Desde hace varios meses, una verdadera tormenta por el alza del costo de los alimentos en todo mundo" se ha desatado. En algunos países los gobiernos ya están recurriendo a las organizaciones campesinas para trabajar con ellas en la reformulación de sus políticas agrícolas. Otros están comenzando a cuestionar el argumento fundamental de impulsar una mayor libertad de comercio.Por

Top