Minc dá R$ 1 bilhão a quem desmata e reabre crédito a 100 municípios

Verba será usada para recompor reservas na Amazônia; agricultores do MT são beneficiados. Governo reabre crédito a 100 municípios que desmatam. Para evitar desgaste, governo diz que não houve 'recuo' e sim um esclarecimento da medida. Sob pressão do governador do Mato Grosso, Blairo Maggi, o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, assinou hoje portaria que permite a produtores de cerca de 100 municípios localizados na área de transição entre os

floresta zero: Blairo Maggi comemora flexibilização de regra ambiental

O governador do Mato Grosso, Blairo Maggi, disse ontem (30) que interpretou como uma "flexibilização" das regras o fato do ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, ter assinado portaria que permite que nem todas as propriedades localizadas em municípios do bioma amazônico sejam punidas caso não sigam critérios ambientais. Por Luciana Lima, da Agência Brasil. 1741

Ambiente perde R$ 400 milhões

Recurso viria da cobrança da taxa de compensação ambiental, que foi suspensa pelo STF no mês passado O Ministério do Meio Ambiente (MMA) perderá mais R$ 400 milhões da taxa de compensação ambiental. O dinheiro entraria para o caixa do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade, órgão do ministério, mas a cobrança foi suspensa no mês passado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O titular da pasta, Carlos Minc, já havia tentado, sem

Termelétrica MPX Energia, Pecém, CE: Juiz concede liminar e obras são suspensas

Liminar suspende início de obras até o julgamento final da ação contra as licenças prévias e de instalação As obras da Termelétrica MPX Energia não têm data para começar. Previstas para iniciarem em maio, os planos foram suspensos com a decisão do juiz da Comarca de São Gonçalo do Amarante, José Cavalcante Júnior, que deferiu o pedido de liminar da Defensoria Pública do Estado do Ceará ordenando para que a empresa

terra indígena Raposa Serra do Sol: Tensão em Roraima resistirá à decisão do STF

Perdido no interior de Roraima, perto da fronteira com a Venezuela, o vilarejo de Surumu, com suas cinco ou seis ruas de terra, estava agitado àquela hora da noite. Índios e índias entravam e saíam de algumas das casas em frente à base improvisada da Força Nacional e dos agentes da Funai. Outros conversavam e faziam fila para comer num de rancho coberto de palha onde um grupo numeroso se

Transgênicos: As sementes do mal. A silenciosa contaminação de solos e alimentos, de Antônio Inácio Andrioli e Richard Fuchs (orgs)

O conteúdo do livro... - A não esclarecida morte de 70 vacas leiteiras após terem sido tratadas por um longo período com milho transgênico. - O quanto é confiável a pesquisa encomendada a biólogos moleculares? - Qual é a influência de lobistas sobre a liberação de plantas transgênicas realizada em Bruxelas e Berlim? - Semente transgênica não rotulada em programas de combate à fome. - A eliminação de pequenos agricultores nos

Uma porta para o nada, artigo de Mário José de Lima

Buscar reorganizar a produção de alimentos primeiramente em atendimentos às carências nacionais parece, definitivamente, fora do propósito dos governos que se revezam. [Correio da Cidadania] A crise energética terminou por empurrar os preços da economia de forma a promover uma reorientação nas estruturas produtivas na agricultura mundo afora. Uma chacoalhada nas condições de produção de alimentos básicos, mudando as expectativas dos negócios futuros e sinalizando a possibilidade de mais uma grave

Hambre en el mundo, artigo de Marcel Claude

[EcoPortal.net] El pasado 15 de abril en Johannesburgo, Sudáfrica, en una reunión de gobiernos y científicos del mundo, se dio a conocer el informe del IAASTD, que demanda un cambio radical en la forma de producción agrícola y pronostica los graves conflictos que implicará la actual escasez de alimentos, se cuestiona la revolución verde y los OGM, y se afirma la necesidad de promover la agricultura en pequeña escala como

ONU prevê uma década de alimentos caros

Os preços mundiais dos alimentos cairão um pouco em relação aos atuais níveis recordes, mas seguirão elevados pelos próximos dez anos, prejudicando principalmente as populações dos países mais pobres, onde a inflação é mais influenciada pelo aumento do custo da comida. A culpa dessa alta é dos biocombustíveis, da maior demanda de países emergentes, como a China, e da especulação nos mercados futuros. Do Valor Econômico, com Agências internacionais, 30/05/2008.

Por que o pesadelo da fome está crescendo

Uma multidão armada de bastões incendeia amontoados de pneumáticos e por trás da espessa fumaça enfrenta a polícia numa selvagem guerrilha urbana em Mogadiscio, na Somália. O governo das Filipinas é constrangido a anunciar uma distribuição emergencial de arroz à população de Manila. A Índia proíbe por lei à Bolsa de Mombaim as transações financeiras sobre “futuros” de produtos agro-alimentícios. Ocorridos no mesmo dia, estes três eventos são a face

Segurança alimentar: o paradoxo entre a produção de alimentos e a fome

Entre 3 e 5 de junho, será realizada a Conferência de Alto Nível sobre a Segurança Alimentar Mundial e os Desafios das Mudanças Climáticas e da Bioenergia, da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). O evento que vai ocorrer em Roma, na Itália, reunirá Chefes de Estado e de Governo, com o objetivo de traçar uma estratégia para a segurança alimentar mundial nos próximos anos. Da Agência

Empresa americana afirma poder transformar algas em gasolina

Combustível foi apelidado de 'petróleo verde'. Pesquisadores dizem que ele pode estar disponível em três anos. Uma nova empresa californiana afirma que pode produzir um combustível equivalente à gasolina a base de algas cultivadas em terrenos desérticos, informaram nesta quinta-feira (29) o jornal "Los Angeles Times" e a revista "Forbes". Agencia EFE, publicada pelo Portal G1, 29/05/2008 - 08h38 - Atualizado em 29/05/2008 - 09h40. 1730

Capobianco, que deixou o governo anteontem, diz que o Planalto queria reduzir o MMA a um órgão licenciador de obras

"Ministério virou pasta de 2ª categoria" - O Planalto queria reduzir o Ministério do Meio Ambiente a um órgão licenciador de obras. A síntese da crise que levou a ministra Marina Silva e alguns secretários foi feita ontem ao Estado por João Paulo Capobianco, ex-secretário-executivo do ministério e ministro interino até a posse, anteontem, de Carlos Minc. Capobianco diz que a questão ambiental nunca foi considerada importante pelo governo. E

Minc quer exigir novas compensações de termelétricas

O Ministério do Meio Ambiente pretende exigir compensações novas e mais duras para empresas que decidam erguer usinas termelétricas a carvão, óleo combustível e gás natural. Para cada 100 megawatts (MW) de potência instalada de térmicas movidas a combustíveis poluentes, o plano é exigir investimentos na construção de 3 MW a 5 MW em usinas que geram energia a partir de fontes renováveis, como eólicas ou pequenas centrais hidrelétricas (PCHs).

Ambientalistas internacionais vêem Minc com desconfiança

Um clima de desconfiança aguarda hoje o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, em sua estréia num fórum internacional. A maioria dos ambientalistas presentes na Conferência sobre Diversidade Biológica de Bonn, na Alemanha, vê na renúncia de Marina Silva um sinal de que a preservação da natureza não é prioridade do governo brasileiro. Da Folha de S.Paulo, 29/05/2008. 1725

Cerrado: Governo mudará regras contra desmatamento

Áreas de cerrado serão excluídas de portaria que proíbe financiamentos públicos para produtores sem licença ambiental Cedendo a pressões do governador do Mato Grosso, Blairo Maggi (PR), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve anunciar amanhã, durante o Fórum de Governadores da Amazônia Legal, em Belém, a flexibilização da portaria que restringiu o crédito oficial para os produtores que não têm licença ambiental, medida adotada pela ex-ministra Marina Silva para

reserva legal: Governo vai subsidiar fazendeiros que recuperarem áreas desmatadas

Brasília, 28 (AE) - Depois de fazer exigências ambientais severas para conceder crédito aos municípios do bioma amazônico, o governo decidiu subsidiar o reflorestamento de áreas desmatadas nos Estados do Norte e do Centro-Oeste. Incluída na Medida Provisória (MP) de refinanciamento das dívidas agrícolas, a proposta prevê uma linha de financiamento com taxa de juros subsidiadas para recomposição da chamada reserva legal das fazendas das duas regiões, situadas nos biomas

Top