Ministério: adulteração só atingiu 6% do leite testado

Apenas 6% das 1.182 amostras de leite coletadas no País no ano passado apresentaram algum tipo de adulteração. A informação foi dada nesta quarta-feira pelo diretor de inspeção de produtos de origem animal da Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Nelmon Oliveira da Costa, em audiência pública promovida pela Comissão de Defesa do Consumidor para analisar as conseqüências da operação Ouro Branco da Polícia Federal – que, no ano passado, detectou a adulteração do produto com água oxigenada e soda cáustica. Agência Câmara, Consolidada – 23/04/2008 22h49 [leiam, também, nota do EcoDebate].

Nelmon da Costa explicou que, das 1.182 amostras, 800 foram recolhidas após a operação policial. No leite analisado, foram encontrados sacarose, soro e redutores de acidez, proibidos pela legislação.

O assessor técnico da Comissão Nacional de Pecuária de Leite da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Marcelo Martins, disse que hoje mais de 90% do leite sob inspeção atendem a todos os requisitos de qualidade. Segundo ele, há necessidade de ajuste apenas na contagem bacteriana total, “o que já está sendo realizado”.

Já o presidente da Associação Brasileira do Leite Longa Vida (ABLV), Welligton de Oliveira Braga, reclamou do “massacre” contra esse produto. De acordo com ele, os testes realizados em 2003 pelo Ministério da Agricultura detectaram que havia apenas 9% de fraude nesse tipo de leite. “Em compensação, no leite C havia mais de 20% com fraude e no leite em pó mais de 28%”, comparou.

Braga reclamou ainda que as empresas denunciadas não puderam apresentar suas contraprovas.

Métodos questionados
O deputado José Carlos Araújo (PR-BA), que pediu a realização do debate, questionou o método analítico utilizado, que mede a alcalinidade nas cinzas do leite para detectar a presença de produtos proibidos. Araújo e o presidente da ABLV afirmaram que essa técnica é inadequada para o leite longa vida.

Nelmon da Costa esclareceu que as conclusões da investigação levaram em conta outros parâmetros, como a presença de substâncias redutoras de acidez. No caso do leite investigado na operação Ouro Branco, ele lembrou que houve a confissão dos envolvidos.

Como conseqüência da fiscalização, foram instaurados 502 processos administrativos, mas nenhum foi concluído ainda. Nelmon da Costa ressaltou, no entanto, que foi aplicado o regime especial de fiscalização em 28 empresas nas quais foram constatados indícios de irregularidade. Nesse caso, são aplicadas multas e os produtos com suspeita de fraude só podem voltar a ser comercializados após a realização de três séries de análises para comprovar sua regularização.

Reportagem – Maria Neves. Edição – Natalia Doederlein

Nota do EcoDebate

Dizer que a adulteração só atingiu 6% do leite testado é brincar com os números. A produção de leite no País, de acordo com a Embrapa Gado de Leite , foi de aproximadamente 25 bilhões de litros em 2006.

Então estamos falando de uma adulteração de 1,5 bilhões de litros, o que é “astronômico” sob quaisquer perspectivas. Só 6% de adulteração pode ser uma informação tranquilizadora para os produtores e nossos laboriosos e nobres parlamentares, mas em nada tranquiliza o consumidor, verdadeira vítima desta irresponsável ganância empresarial.

Henrique Cortez, coordenador do EcoDebate

Um comentário em “Ministério: adulteração só atingiu 6% do leite testado

Comentários encerrados.

Top