Produção de alimentos orgânicos ajuda a melhorar vida de famílias no Entorno do DF


Brasília – O agricultor Ivo Barfnecht mostra espécies de milho orgânico cultivadas no Assentamento Cunha, na Cidade Ocidental, região do entorno do Distrito Federal

Brasília – Embora o preço dos produtos orgânicos esteja distante da realidade de boa parte da população do país, o aumento do consumo dos alimentos sem aditivos químicos tem contribuído para melhorar a qualidade de vida de assentados da reforma agrária. Matéria de Ivan Richard, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate.

É o caso das 62 famílias do assentamento Cunha, na Cidade Ocidental, a cerca de 50 quilômetros de Brasília. Os agricultores produzem diversas variações de milho, feijão, mandioca, além de girassol, abóbora e frutas todos sem a utilização de agrotóxicos.

“Com nosso modelo, podemos agregar muito mais valor aos produtos”, afirma um dos coordenadores do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) do Distrito Federal e Entorno Ivo Barfnecht.

“Enquanto você vai a um sacolão comprar um quilo de tomate a R$ 0,99, vendemos a R$ 5 o quilo. Um frango, que no mercado comum custa de R$ 2, a R$ 3 o quilo, estamos vendendo a R$ 24 um frango caipira com dois quilos”, exemplifica o líder do assentamento.

Ontem (19), durante o Dia de Campo promovido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), os assentados mostraram a representantes de órgãos públicos do Brasil, Itália e Venezuela e também a pesquisadores de vários estados o modelo agroecológico utilizado na propriedade. Um dos coordenadores do MST nacional, Ciro Correa, explica que a preocupação com o meio ambiente é uma prioridade.

“É um trabalho de transformação de paisagem que antes [do assentamento] era utilizada para plantação de soja”, resumiu. “Esse modelo de reforma agrária, além de melhorar a vida dos trabalhadores rurais, também mostra que a reforma agrária é uma alternativa viável”, disse Correa.

No assentamento as famílias cultivam diversas variedades de cada produto. “Temos mais de 20 espécies de milho. Observamos a que melhor se adapta ao solo e também atende a demanda comercial”, descreve Ivo Barfnecht. Dessa forma, argumenta, é possível produzir mais sem prejudicar as características do solo.

Um outro exemplo do cuidado dos assentados é a preocupação com a vegetação às margens do rio que corta a propriedade. Segundo Barfnecht, há sete anos, quando o assentamento foi constituído, o rio estava praticamente morto devido ao cultivo de soja próximo às águas. Recuperado, o rio é responsável pelo fornecimento de água para as famílias.

“Hoje, temos uma roda d’água que joga água para todo o assentamento a custo zero de energia”, afirma Barfnecht.

Top