Antártida perdeu mais gelo nos últimos 10 anos, diz estudo

WASHINGTON (Reuters) – A Antártida perdeu dezenas de bilhões de toneladas de gelo na última década, o que contribuiu com a elevação dos mares no mundo, disseram pesquisadores climáticos na segunda-feira. Por Por Deborah Zabarenko, da Agência Reuters, publicado pelo UOL Notícias, 14/01/2008 – 19h38

O gelo derreteu especialmente no oeste da Antártida (132 bilhões de toneladas perdidas em 2006, contra 83 bilhões em 1996) e na península Antártica, que se prolonga em direção à América do Sul (60 bilhões de toneladas perdidas em 2006), segundo artigo de Eric Rignot e colegas na revista Geoscience.

O grupo usou imagens de satélite para monitorar o litoral da Antártida.

Em nota, outro pesquisador, Jonathan Bamber, lembrou que 4 bilhões de toneladas de gelo bastariam para fornecer água potável aos mais de 60 milhões de britânicos durante um ano.

O gelo foi perdido das geleiras que cobrem grande parte do continente, o que significa que contribuiu diretamente com a elevação do nível dos mares –o que não acontece tanto quando é o gelo do próprio mar que derrete.

Em entrevista por email, Rignot, do Laboratório de Propulsão a Jato dos EUA, disse que em 2006 a Antártida contribuiu em 0,5 milímetro para a elevação dos mares. Em 1996, havia contribuído com apenas 0,1 milímetro.

Rignot lembrou que o Painel Intergovernamental da ONU para a Mudança Climática (IPCC) havia previsto que a Antártida não contribuiria com o aumento dos mares e que na verdade a camada de gelo marítimo no seu litoral acabaria subindo, devido à maior precipitação pluviométrica –o que não aconteceu até agora, disse o pesquisador.

“Em algumas regiões, a capa de gelo está perto de fontes quentes de água. As partes da Antártida em que estamos vendo a mudança agora são as mais próximas dessas fontes de calor”, afirmou.

Essas conclusões estão de acordo com o que está acontecendo na capa de gelo da Groenlândia, que teve um derretimento recorde no ano passado, e com estudos do gelo do Ártico, que em 2007 encolheu para a menor área já registrada.

Estudo divulgado na semana passada pela Universidade do Colorado em Boulder concluiu que o gelo mais velho e espesso do Ártico, que deveria durar de um ano para outro, está dando lugar a um gelo marítimo mais novo e fino, mais suscetível ao degelo.

Top