Madeireiros fecham rodovia e entram em confronto com PM no Pará

Madeireiros e policiais militares entraram em confronto hoje no município de Tailândia, no sudeste do Pará, durante série de protestos contra uma operação do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) para a apreensão de madeira ilegal na região. O conflito ocorreu perto de uma ponte da rodovia PA-150, que foi interditada pelos manifestantes com pneus e toras de madeira. Cerca de 1.000 pessoas participaram do protesto na rodovia, segundo a Secretaria da Segurança Pública do Pará. A PM foi deslocada para o local. Por José Eduardo Rondon, da Agência Folha, publicado pela Folha Online, 19/02/2008 – 21h52.

“A tropa de choque foi agredida com pedras e revidou com munição de borracha”, disse o tenente-coronel Luís Barbosa, da Polícia Militar do Pará. Segundo ele, até as 17h não havia informações sobre feridos. Ninguém foi preso.

Barbosa disse que, com a interdição da ponte na rodovia, a cidade está “isolada”. “Eles colocaram toras de madeira e pneus e atearam fogo. A cidade está isolada. Ninguém consegue entrar nem sair”, afirmou o tenente-coronel.

Além da interdição da rodovia, os madeireiros e parte da população realizaram outras manifestações na cidade.

Uma equipe de seis fiscais dos governos federal e estadual foi retida em uma serraria pela manhã. O Ibama, em nota, afirmou que cerca de 2.000 pessoas impediram que o grupo saísse do local.

A equipe deixou a serraria, pelos fundos, após a chegada da Polícia Militar. O Ibama informou que houve tiros no local. A informação não foi confirmada pela PM.

Parte do grupo que estava em frente à serraria tentou invadir o local para atear fogo a um caminhão que retirava madeira apreendida na operação.

Os fiscais davam continuidade à Operação Guardiões da Amazônia, iniciada na semana passada na região. Desde então, 13 mil metros cúbicos de madeira foram apreendidos. Em torno de R$ 1,5 milhão foram aplicados em multas.

A Secretaria de Meio Ambiente do Pará disse, via assessoria de imprensa, que os madeireiros querem, com os protestos, impedir que a madeira apreendida seja retirada do município. A reportagem não conseguiu contato com representantes dos madeireiros.

A governadora do Pará, Ana Júlia Carepa (PT), disse à Folha que o governo irá manter a retirada da madeira ilegal apreendida no município. “Pode demorar 15, 40, 60 dias, mas vamos retirar.” Segundo ela, as ações dos madeireiros “não irão intimidar o governo”.

Aulas suspensas

Com os protestos dos madeireiros, as aulas foram suspensas na rede municipal, informou a secretária da Educação de Tailândia, Silvana Vieira.

A Secretaria da Segurança Pública do Pará disse que foi enviado reforço de policiamento para a cidade na manhã de hoje em razão dos protestos. O número de policiais enviado não foi divulgado pela pasta por questões de segurança.

Top