Ambientalista defende o debate de um pacto nacional para socorrer o Nordeste


[Foto: ambientalista e coordenador do portal EcoDebate, Henrique Cortez]

O verdadeiro projeto do governo para a transposição do Rio São Francisco não é conhecido pela sociedade, afirmou, nesta quinta-feira (14), o ambientalista e coordenador do portal EcoDebate, Henrique Cortez. Ele disse que existe muita fantasia em torno do tema e pediu a contribuição do Senado para realizar um pacto nacional destinado a discutir o desenvolvimento sustentável do Nordeste. Em sua opinião, projetos que visem à solução do problema da seca naquela região devem ser discutidos em nível nacional e não adotados por “imposição imperial”. Por Iara Farias Borges, Agência Senado

Henrique Cortez, que participou de audiência pública promovida por quatro comissões permanentes, no Plenário do Senado, com o objetivo de discutir o Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional, explicou que, pelo projeto do governo, em relação ao eixo norte do rio, a água será levada a reservatórios já existentes.

Em sua opinião, isso não vai alterar o modelo, que classifica de “injusto”, de distribuição de água. Para que a população receba a água desses reservatórios, observou, os governos locais teriam que investir em sistemas de distribuição, o que, segundo ele, é muito difícil de ser realizado porque os estados não têm recursos.

Já em relação ao eixo leste do rio, o ambientalista ressaltou que o problema de seca que enfrenta a região é sério e poderá ser minimizado com a construção de adutoras e tubulações para distribuir água. Disse ainda que é necessário um projeto que compreenda de forma sistêmica o problema da falta de água, o que não será solucionado pela transposição do Rio São Francisco.