Um dia chegaremos ao desmatamento zero, artigo de Danilo Pretti Di Giorgi

[Correio da Cidadania] O Ministério do Meio Ambiente, com o apoio de parte da grande imprensa, vinha capitalizando a redução do desmatamento amazônico desde o segundo ano do governo Lula. Dos mais de 20 mil km² dizimados por ano entre 2003 e 2004, chegamos a pouco mais de 11 mil km² entre meados de 2006 e 2007. Segundo a versão que a ministra Marina Silva vinha divulgando pelo mundo, aproveitando-se

Love Lomas, artigo de Nelson Batista Tembra

[EcoDebate] Com alguns cargos estratégicos e de confiança ocupados por ‘companheiros’ importados de outras praças, em detrimento dos competentes funcionários de carreira, os empresários sérios que preferem trabalhar na legalidade e precisam de licença ambiental têm amargado dissabores com relação ao tratamento dispensado e à agilidade na liberação de licenças pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Pará. 558

Maranhão combate surto de beribéri causado por arroz

Fiscais iniciam operação para recolher produto; em 2007, Estado registrou 603 casos suspeitos - Equipes formadas por fiscais sanitários, Exército e integrantes da Secretaria de Agricultura do Maranhão iniciam nos próximos dias uma operação para recolher arroz com suspeita de contaminação no Estado. A ação, que deverá se desenvolver em 42 municípios, é planejada há três semanas e tem como objetivo controlar um surto de beribéri - doença típica entre

Nós precisamos da presença do governo na Amazônia. Entrevista especial com Marcelo Marquesini

Ano após ano, inúmeros órgãos e instituições alertam para o grande problema que a Amazônia vem enfrentando: o desmatamento. De um lado, o governo lança um plano que pretende combater esse mal, por outro, assim que a porcentagem do problema diminui ocorre um relaxamento, uma desatenção imensa com relação à floresta e, assim, o desmatamento aumenta. E, o que é ainda pior, o governo passar a incentivar projetos que ampliarão

Marina Silva: a equilibrista

Entre o verde e o poder, ministra do Meio Ambiente está há 5 anos no cargo e se mantém, apesar das polêmicas - De todos os auxiliares do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a ministra do Meio Ambiente, a petista Marina Silva, é a que mais se equilibra no meio do jogo de forças políticas poderosas e contraditórias que dominam o governo. Ora o confronto é com a ministra

Marina Silva: Chegamos à era dos limites

CAMINHO: “Temos de saber preservar ativos ambientais sem as conseqüências indesejáveis de não ter riquezas” PODER: “O presidente Lula me convidou para o ministério. Ele pode me tirar quando quiser” INCERTEZAS: “A ambigüidade que está no governo está na sociedade, nos formadores de opinião, no Congresso” O ano começou agitado para a ministra Marina Silva. Em janeiro, ela anunciou o registro feito pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) do aumento do desmatamento

madeira ilegal: Mais de 500 caminhões de madeira já cortada na Tailândia da Amazônia

déia é fazer doer no bolso de infratores com apreensão de equipamentos caros TAILÂNDIA (PA). Ocupada por centenas de fiscais do Ibama e da Secretaria de Meio Ambiente do Pará e por policiais militares na última semana, Tailândia da Floresta Amazônica, município com pouco mais de 50 mil habitantes, teve sua rotina transformada pela Operação Guardiões da Amazônia. Os fiscais do Ibama e da Secretaria de Estado de Meio Ambiente do

Operação na Amazônia sob ameaça – A quatro dias do início da ação contra desmatamento, governo não liberou a verba necessária

O início da maior e mais longa operação de combate ao desmatamento na Amazônia está ameaçado pela falta de recursos e de estrutura do governo federal para pôr em prática as ações planejadas pela Polícia Federal e pelo Ibama. Até agora, não foram liberados os R$ 200 milhões necessários à mobilização de policiais, militares e fiscais ambientais em pontos estratégicos da Floresta Amazônica. Mesmo assim, a chamada Operação Arco de

Top