Clima pode mudar paisagem da Califórnia, dizem cientistas

Cientistas tentam prever como a mudança climática pode afetar este Estado americano e encontram uma paisagem bem diferente da atual para o fim deste século, ou até mesmo antes. O Estado americano da Califórnia é definido por seu cenário, com montanhas, áreas produtoras de vinho e praias, que formaram o retrato de uma cultura pelo mundo. Matéria da Associated Press, em Los Angeles, publicada pela Folha Online, 30/12/2007 – 13h16

A Califórnia possui uma série de regiões com microclimas. O Estado também cobre uma área que é um terço maior que a Itália. Por tais questões, é difícil prever o resultado das mudanças na região.

Enquanto celebridades, surfistas e aqueles que buscam seu lugar ao sol se misturam nas praias famosas de Malibu, no futuro podem haver somente paredes defendendo mansões de serem engolidas pelo Pacífico.

No norte da Califórnia, os turistas podem ter de dirigir mais ao norte para encontrar o que teria restado de uma região dos vinhos.

Dentre as atrações que devem desaparecer primeiro na Califórnia estão a estação de ski. Espera-se que a neve caia em uma período de tempo mais curto e que derreta mais rapidamente.

“Nós precisamos ficar atentos para o fato de que mudanças vão acontecer, seja o aumento do nível do mar ou das temperaturas, sejam secas ou um aumento potencial no número de incêndios”, disse Lisa Sloan, que dirige o Laboratório de Impacto e Mudança Climática da Universidade da Califórnia em Santa Cruz.

Paisagem

Pelo fim do século, de acordo com uma série de entrevistas realizadas pela Associated Press para delinear a paisagem californiana, as temperaturas devem aumentar de 3 a 10 graus na escala Fahrenheit.

Isto poderia se traduzir em menos chuva na porção sul do Estado, já sofrendo com os incêndios cada vez mais freqüentes e o crescimento da população. Pequenos mamíferos, répteis e colônias de flores selvagens no deserto leste da região de Los Angeles podem não ser adaptar aos ciclos de secas maiores esperados.

No norte, onde invernos frios são cruciais para o suprimento de água do Estado inteiro, as temperaturas mais altas podem propiciar mais chuva do que neve na Sierra Nevada e derretimento maior na primavera. Como 35% do abastecimento de água do Estado provém da região de neve da Sierra Nevada, as mudanças podem afetar crucialmente este setor.

Algumas transformações já são aparentes, como a diminuição da camada de neve, como em outras regiões montanhosas pelo mundo. A morte de pinheiros e abetos aumentaram nas últimas duas décadas.

No centro e no sul da região da Sierra Nevada, as sequóias gigantes podem correr risco.

“Eu suspeito que, com o aquecimento, nós começaremos a ver sequóias morrendo”, disse Nate Stephenson, um ecologista do U.S. Geological Survey.

Mudanças no abastecimento de água podem levar a disputas entre fazendeiros. Sem água regular vinda de rios, os fazendeiros podem perder um quarto de seu fornecimento.

“Obviamente, isto significará que escolhas devem ser feitas sobre quem receberá água”, disse Brian Nowicki, biólogo do Centro para Diversidade Biológica em Tucson, no Estado americano do Arizona.

Top