Amazônia: O sertão que cresce, por Lúcio Flávio Pinto

Adital - Em 1972 foi proibida a exportação de madeira em toras da Amazônia. Na mesma época - como ainda hoje - a nação mais poderosa do mundo, os Estados Unidos, ainda se permitia mandar para outros países suas árvores em bruto. Vi com meus próprios olhos, no extremo noroeste, no Oregon, a destruição das últimas grandes concentrações de floresta nativa do país. As toras eram exportadas para o Japão.

Mata Ciliar: Mitos e Verdades, por Osvaldo Ferreira Valente

No momento em que se fala muito sobre revitalização de bacias hidrográficas, em razão da polêmica sobre a transposição do rio São Francisco, vem sempre referência à mata ciliar ou ao reflorestamento ciliar, mas com muita confusão a respeito de suas verdadeiras funções. E como é importantíssimo que os agentes responsáveis pelos trabalhos de revitalização tenham a exata compreensão dos mitos e verdades em torno do assunto, é que estamos

Sobre o Futuro (quê futuro?), por Clarissa Taguchi

(...) Previsões de cientistas antes chamados de 'catastrofistas' - termo utilizado para ridicularizar aqueles que tentavam demonstrar que a vida do planeta é frágil e que homem tem agido como suicida - são reconsideradas devido aos novos modelos científicos capazes de prognosticar o estado da Terra comparando-a com outras Eras. (...) A humanidade enfrenta neste começo de século seu maior desafio: querer permanecer viva e, assim, entender o poder sobre

Trilha de fogo: a rota da soja, por Lúcio Flávio Pinto

Quem se der ao trabalho de examinar sucessivas imagens de satélites que captam fontes de calor, não terá dúvida: é de fogo a rota de expansão da soja na Amazônia. Enquanto o desmatamento na região diminuiu 31% do verão de 2004 para o verão de 2005, os focos de queimadas cresceram 1%. A discrepância já é um paradoxo. Mas há outro, muito mais grave: enquanto em Mato

Top