Sustentabilidade: Medidas simples e práticas para com a água, artigo de Roberto Naime

Publicado em maio 4, 2010 por

Tags: água

desperdício de água

[EcoDebate] A coleta da água da chuva através de cisternas já é conhecida de tempos bíblicos. Desenvolvida pelos povos árabes e pelos povos africanos, ambos vivendo em condições de escassez de água, foi introduzida na Europa pelas invasões dos mouros que dominaram por séculos o sul da Espanha.

É uma medida simples, que apenas operacionaliza a coleta da água da chuva nos telhados, através de um sistema de calhas e direciona esta água para um reservatório para uso posterior.

As águas da chuva que não são coletadas, além de serem desperdiçadas, causam enchentes e alagamentos nos sistemas de coleta pluvial ou misto para onde são destinadas. É um duplo problema, se deixa de usar uma água de excelentes condições físico-químicas, que pode ser usada para várias atividades e ainda se contribui para enchentes, alagamentos, inundações e grandes acidentes em temporais.

As águas, principalmente quando são originadas por chuvas, precisam de terrenos não impermeabilizados para que possam se infiltrar no solo onde são um nutriente essencial e através do solo atingir os aqüíferos (que são acumulações de água dentro de rochas). Tanto fez que sejam aqüíferos primários (em rochas sedimentares) ou secundários (em rochas ígneas e também metamórficas).

Existem já em algumas cidades a obrigatoriedade nas aprovações de projeto de construções de casas e edifícios, para manutenção de um percentual significativo de superfície de terreno sem impermeabilização para que as águas possam se infiltrar nos solos e rochas e não sofrer escoamento superficial que leva as águas a acabar nos sistemas de drenagem pluvial ou misto indo para os rios.

A fiscalização destes procedimentos ocorre apenas na emissão do HABITE-SE e depois não ocorre mais. E frequentemente ocorre a impermeabilização daquela fração destinada a se manter livre de calçamentos ou outras formas que impeçam a infiltração das águas. Isto garante o equilíbrio dos recursos hídricos dentro da unidade de gerenciamento, geralmente a bacia hidrográfica.

Talvez tenham que ser criados mecanismos de fiscalização permanentes para garantir esta área livre de impermeabilização, mas sem os ranços, dificuldades e burocracias que muitas vezes obstaculizam a vida do cidadão e das empresas.

São apenas duas sugestões de extrema simplicidade e até singeleza: construção de cisternas em casas e edifícios para coleta e utilização de águas de chuvas, e manutenção de áreas livres de impermeabilização, para permitir a infiltração de águas em solos e rochas e evitar o excesso de escoamento superficial, que causa alagamentos e problemas.

As grandes idéias são simples. Não é preciso inventar a roda, que já foi inventada. Talvez no máximo aperfeiçoar e tornar melhor a circunferência.

No caso das águas, a definição através de legislação destas medidas simples, e a conscientização dos cidadãos para a aplicabilidade da medida como um item de sustentabilidade inadiável poderia resolver muitos problemas de forma simples e a um custo muito baixo.

Roberto Naime, Professor no Programa de pós-graduação em Qualidade Ambiental, Universidade FEEVALE, Novo Hamburgo – RS, é articulista do EcoDebate.

EcoDebate, 04/05/2010

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

Comentários (11)

 

  1. Lafaiete disse:

    A coleta de água da chuva já está bem favorecida na maioria das residências ou estabelecimentos, pois já possuem o sistema de coleta por calhas, mas atualmente, restringe-se o uso deste dispositivo apenas para uma questão mais estética do que ambiental. As calhas coletoras atualmente tem a finalidade apenas de não sujar as paredes por respingos da chuva e evitar a formação de poças d’água. Ou seja, a água torna-se um problema que é tratado/resolvido através das calhas.

    Vejo que falta apenas um pouco de conscientização ambiental, para que tais sistemas de direcionamento da água sejam adaptados para que se possa promover a coleta e utilização deste bem gratuito que é a água da chuva.

    Apóio tais iniciativas. Gostei muito do artigo.