Serragem ajuda a despoluir rios

Publicado em setembro 20, 2008 por

Tags: pesquisa, poluição


Ilustração Apoena Pinheiro/UnB Agência

Material é capaz de retirar da água chumbo e cromo despejados por indústrias, revela pesquisa feita na UnB.

Um estudo conduzido no Instituto de Química da Universidade de Brasília (UnB) mostrou que é possível reduzir a quantidade de lixo industrial nos rios de uma forma simples e com um material de baixo custo, a serragem. Durante a pesquisa, o produto levou o percentual de metais pesados, liberados por duas empresas, aos níveis aceitáveis pela legislação.

No primeiro caso, a serragem da madeira fez com que os 2,7 miligramas de chumbo por litro liberados por uma fábrica de baterias para carros, situada no Distrito Federal, caíssem para 0,4 mg/L. O chumbo integra a composição das placas das baterias, mas também é comum nos setores de tintas, automotivos e ferragens.

Na outra situação analisada, referente a uma linha de produção de couro no Rio Grande do Sul, os dados também foram animadores. De 2,11 mg/L a concentração de cromo passou para 0,5 mg/L. A substância é empregada com o objetivo de dar ao couro o aspecto mais vistoso, uma vez que, na forma natural, sua coloração é esbranquiçada.

O resultado foi comemorado pelo autor do estudo, o químico Augusto Hosanna de Oliveira. “Conseguimos obter a extração de metais pesados com algo novo”, diz. Nas duas situações, o percentual ficou abaixo dos 0,5 mg/L estipulados pela portaria 357/05 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama/MMA).

A preocupação com o controle na emissão dos subprodutos dessas empresas é fundamental, pois tanto o chumbo quanto o cromo são extremamente danosos ao meio ambiente e à saúde, além de não se degradarem com o passar dos anos. “Ambos são cumulativos no organismo. O principal problema causado por eles é o câncer, e o chumbo é ainda pior porque atua no sistema nervoso central”, explica o professor Alexandre Prado, que orientou o trabalho.

MECANISMO – A pesquisa foi realizada com resíduos de três tipos de madeiras, a maçaranduba, o ipê e o pequiá, provenientes de cargas apreendidas na Amazônia e doadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), que propôs o estudo.

Prado explica que o produto florestal funcionou por ser rico em compostos que interagem facilmente com metais, como é o caso do tanino, cuja função nas plantas é atuar como defesa química contra animais, insetos e organismos patogênicos. Isso lhe confere a capacidade de agir como uma esponja e, assim, “capturar” os subprodutos lançados no ambiente.

Esse, no entanto, não é o único benefício do uso da serragem. É possível, ainda, reaproveitar o material seco, já impregnado do chumbo e do cromo, na fabricação de placas de MDF em móveis, por exemplo. Embora os metais sejam tóxicos na fase líquida, perdem essa propriedade em fase sólida.

Segundo Oliveira, a estratégia elimina um dos problemas enfrentados pelas fábricas atualmente, que é dar destinação ao lixo industrial, também conhecido como passivo ambiental. “Os resíduos geram um alto custo para as grandes indústrias, que não têm o que fazer com eles e os armazenam em galpões”, diz.

As exceções ficam por conta de grupos empresariais que conseguem reaproveitar o resíduo de um empreendimento em outro, como ocorre com uma indústria de alumínio de grande porte instalada no Brasil, que reutiliza os subprodutos na fabricação de cimento.

PLANOS – Daqui em diante, Oliveira e Prado esperam reproduzir o experimento em maior escala, ou seja, no ambiente onde funciona uma empresa. Mas até que a tecnologia esteja disponível no mercado, será preciso a atuação de engenheiros na criação de equipamentos e estruturas, tais como filtros ou tanques que insiram a serragem no processo.

As perspectivas são boas, pois o uso da serragem reduziria os custos de filtragem dos poluentes lançados na natureza e poderia estimular um maior cuidado ambiental. Muitas empresas não adotam os procedimentos de limpeza por serem caros. Chegam a US$ 1 para cada 9 mg de resíduo. “É preciso operacionalizar o sistema para calcular os custos”, afirma o professor. “Mas com certeza seria muito mais barato por causa do material empregado.”

A pesquisa teve apoio da Universidade Católica de Brasília (UCB), que cedeu a infra-estrutura do Laboratório de Espectroscopia Atômica para as análises mais detalhadas.

SUPERAÇÃO

As limitações físicas não impediram Augusto Oliveira de levar adiante a vida acadêmica. Em 2000, ele sofreu uma lesão na coluna em um acidente de carro. O químico especializou-se em Engenharia de Controle de Poluição Ambiental na Universidade de São Paulo (USP) e em Química Verde pela Universidade de Hiroshima, no Japão. A conquista mais recente foi a conclusão do mestrado em Química, na UnB, apesar das dificuldades em circular no ICC, uma vez que inúmeros laboratórios ficavam no subsolo até a inauguração do novo Instituto de Química, em junho de 2008.

PERFIL


Rodrigo Dalcin/UnB Agência
Augusto Hosanna Assis de Oliveira é mestre em Química pela Universidade de Brasília (UnB). Graduou-se em Química pela Universidade Católica de Brasília (UCB).


Rodrigo Dalcin/UnB Agência
Alexandre Gustavo Soares do Prado leciona no Instituto de Química (IQ) da UnB. É doutor em Ciências pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), mestre em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP), mesma instituição pela qual se graduou em Química.

CONTATO
Augusto Hosanna Assis de Oliveira pelo e-mail voador33@hotmail.com.
Alexandre Gustavo Soares do Prado pelo e-mail agspradus@gmail.com.

Matéria de Fabiana Vasconcelo, da Secretaria de Comunicação da UnB, publicada mo EcoDebate, 20/09/2008.


Comments are closed.