Produção de Biocombustíveis na Amazônia: e a floresta, onde fica? artigo de Ecio Rodrigues

Publicado em outubro 19, 2007 por

Tags: Amazônia, biocombustíveis

[A Tribuna] A propalada, e comprovada, diversidade biológica amazônica não consegue sair do status de potencial para se inserir no sistema econômico regional. A cada novidade produtiva que surge, a região desponta como cenário de um novo ciclo de crescimento e o ecossistema florestal, e sua rica biodiversidade, que na maioria das vezes justificativam as expectativas com o novo ciclo acaba em risco.

Uma contradição permanente e que sempre parece estar ocorrendo pela primeira vez. Vários exemplos comprovam que o manejo em ambiente natural é esquecido quando a produção exige até mesmo pequena escala comercial. A regra geral é que quando alguma espécie florestal é identificada na biodiversidade e sua exploração vai originar atividades produtivas em segmentos econômicos inovadores, a própria floresta será desmatada para consolidar a nova atividade econômica que dela se originou.

Foi assim com a borracha, com o cacau, a pupunha, cupuaçu, pimenta longa e assim por diante. Com os biocombustiveis não será diferente com um agravante: a possibilidade da Amazônia adiquirir sua definitiva inserção produtiva no, enganoso, mundo do agronegócio.

Quando o assunto é biocombustiveis, incluindo aí óleos vegetais para queima em motores, como o denominado biodiesel, o álcool e a biomassa vegetal, como a madeira, para queima em caldeiras, a academia, técnicos em geral e institutos de pesquisas, responsáveis pela difícil tarefa do desenvolvimento tecnológico, parecem ter, como sempre, se esquecidos da, mais uma vez, famosa riqueza da diversidade biológica amazônica.

Duas situações parecem ter cegado os atores envolvidos com o tema. Primeiro, os mais apressados elegeram duas espécies do agronegócio, cana-de-açucar e a soja, como ideais para atender a demanda que o país, e o mundo, irá requerer e partiram em busca das variedades e clones, mais adequados dessas espécies para serem plantados na Amazônia. Essa vertente tecnológica esta a apenas um passo do emprego dos organismos geneticamente modificados, os famigerados transgênicos.

Depois, os mais astutos, e politicamente corretos diga-se, partiram em busca de espécies de ciclo médio, como o dendê, a pupunha e, principalmente a mamona (essa última com um ciclo mais curto que médio).

Para os astutos essas espécies possuem certo apelo social por se enquadrarem, com algum esforço de retórica, no universo da agricultura familiar e, certo apelo ambiental por se enquadrarem, com muito esforço de retórica, na condição de florestais. Isto é, são mais sócio-ambientais para usar terminologia da onda.

Cegos, ambos, esqueceram de que o ecossistema florestal na Amazônia é possui elevada variedade de espécies. Apesar da reduzida produtividade por espécie, quando comparada com os plantios, a variedade amplia o leque de aplicações para esses biocombustíveis. Tanto o óleo como a biomassa das espécies florestais podem ter aplicações variadas que favorecem o estabelecimento de novos negócios que podem ir além da queima em motores.

Dessa maneira, antes da corrida cega pelas espécies do agronegócio, a Amazônia deveria mapear seu potencial florestal para produção de biocombustíveis.

Para isso a primeira tarefa é a realização do Inventário Florestal para Biocombustíveis, o que fornecerá uma informação única para o planejamento de sua ocupação produtiva e, talvez o mais importante, possibilitará a inserção do segmento florestal amazônico, no mercado de biocombustíveis (óleos e biomassa) com um diferencial inigualável.

O domínio da informação acerca do potencial do ecossistema florestal amazônico para produção de biocombustíveis é, nesse momento, estratégia de sustentabilidade para o futuro da Amazônia.

Ecio Rodrigues – Engenheiro Florestal, Especialista em Manejo Florestal e Mestre em Economia e Política Florestal pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Doutor em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília (UnB).

(www.ecodebate.com.br) artigo publicado pelo jornal A Tribuna, AC – 16/10/2007


Comments are closed.