Arquivos por janeiro, 2006

Áreas de Conservação para os Cerrados maranhenses, por Mayron Régis

Publicado em janeiro 27, 2006 por

Cargas de água. A chuva dura horas, as árvores e as suas folhas arrependidas quase se ajoelham pela força do vento e as águas milimetricamente amarrotam o chão por onde se derramam. Para onde mandaram aquele céu carrancudo, quem livrou as árvores do vento e aquela água toda foi para quê buraco?

Continue

Amazônia: O sertão que cresce, por Lúcio Flávio Pinto

Publicado em janeiro 23, 2006 por

Adital – Em 1972 foi proibida a exportação de madeira em toras da Amazônia. Na mesma época – como ainda hoje – a nação mais poderosa do mundo, os Estados Unidos, ainda se permitia mandar para outros países suas árvores em bruto. Vi com meus próprios olhos, no extremo noroeste, no Oregon, a destruição das […]

Continue

Mata Ciliar: Mitos e Verdades, por Osvaldo Ferreira Valente

Publicado em janeiro 20, 2006 por

No momento em que se fala muito sobre revitalização de bacias hidrográficas, em razão da polêmica sobre a transposição do rio São Francisco, vem sempre referência à mata ciliar ou ao reflorestamento ciliar, mas com muita confusão a respeito de suas verdadeiras funções. E como é importantíssimo que os agentes responsáveis pelos trabalhos de revitalização […]

Continue

Sobre o Futuro (quê futuro?), por Clarissa Taguchi

Publicado em janeiro 4, 2006 por

(…) Previsões de cientistas antes chamados de ‘catastrofistas’ – termo utilizado para ridicularizar aqueles que tentavam demonstrar que a vida do planeta é frágil e que homem tem agido como suicida – são reconsideradas devido aos novos modelos científicos capazes de prognosticar o estado da Terra comparando-a com outras Eras. (…) A humanidade enfrenta neste […]

Continue

Trilha de fogo: a rota da soja, por Lúcio Flávio Pinto

Publicado em janeiro 2, 2006 por

Quem se der ao trabalho de examinar sucessivas imagens de satélites que captam fontes de calor, não terá dúvida: é de fogo a rota de expansão da soja na Amazônia. Enquanto o desmatamento na região diminuiu 31% do verão de 2004 para o verão de 2005, os focos de queimadas cresceram 1%. A discrepância já […]

Continue
  •  
  •